6 dicas incomuns para turbinar seus estudos

Você que não alcança os resultados esperados com seus estudos? Então acompanhe estas dicas e a história:

 

Pedro aguardava ansiosamente o início da prova. Ele estava um pouco cansado por ter estudado até tarde e não ter conseguido dormir tão bem quanto podia. Mas esperava ir bem, pois tinha estudado muitas horas seguidas na noite anterior.

Depois da prova, uma decepção: sua nota foi muito pior do que ele esperava. Ele não tem ideia do que fez errado, mas decide aumentar seu tempo de estudo para, numa próxima prova, melhorar o resultado.

 


Se você já se sentiu como o Pedro, estudou muito e não colheu os resultados que esperava, este artigo pode te ajudar a resolver essa questão.

Nele, serão apresentadas as 6 principais dicas sobre o que os estudantes de alto rendimento fazem, assim como o resumo de algumas dicas apresentadas por Martin Lobdell, cuja aula de uma hora (disponibilizada neste vídeo, em inglês) dá dicas para aumentar a retenção de conteúdos estudados e o rendimento. Lobdell foi professor de psicologia por 40 anos na Pierce College nos Estados Unidos, nos quais procurou ajudar alunos a ter mais sucesso em seus estudos. Para aprender todas essas dicas, continue lendo.

 

 

Estudar tem segredo?

Você pode estar se perguntando: existem mesmo dicas e segredos para estudar? E como sei que isso vai me ajudar?

Vamos voltar ao caso do Pedro, que aumentou seu tempo de estudo para ter melhores resultados. Há uma frase de Michael Jordan, uma das maiores estrelas do basquete de todos os tempos, que diz:

“Você pode treinar arremessos oito horas por dia, mas se sua técnica estiver errada, então tudo que você conseguirá é ficar muito bom em arremessar da maneira errada. Entenda bem os fundamentos e o nível de tudo que você fizer aumentará.”

 

Portanto, há grandes resultados a serem alcançados quando garantimos uma base sólida de fundamentos de estudo. As dicas que seguem te ajudarão a criar essa base. É claro que cada pessoa é diferente, e estuda melhor de um jeito. Essas dicas são para te orientar nas melhores práticas de estudos, mas você é livre para adaptá-las ao seu jeito. E a primeira dica é:

 

1. Divida o tempo de estudo

Quebrar o seu tempo de estudo em blocos menores é uma das dicas mais impactantes para quem tenta estudar por longos períodos seguidos. Este gráfico mostra que, segundo pesquisadores da universidade de Michigan, a atenção, concentração e desempenho geral de estudos começa a cair após uma média de tempo de 25 minutos.

 

Com isso, podemos ver que o esforço de continuar estudando sem parar por mais de meia hora não é um bom aproveitamento do tempo. Cinco minutos de intervalo bastam para recuperar o foco, garantindo mais um bloco de estudos eficiente. Para entender melhor como fazer pausas nos estudos, leia mais sobre a técnica Pomodoro no artigo a seguir:

Aumente seu foco com a técnica Pomodoro!

Ao final dos estudos o professor Lobdell ressalta a importância de dar a si mesmo uma ótima recompensa, algo que você goste bastante. Isso irá reforçar internamente o hábito de estudar.

 

2. Tenha uma mesa de estudos

Uma mesa ou área dedicada exclusivamente aos estudos tem um efeito poderoso na sua capacidade de se concentrar. Nós seres humanos temos forte influência de contextos, como o prof Lobdell os chama. Estude no contexto da mesa de jantar, por exemplo, e possivelmente, depois de um tempo, você estará pensando em comida. O mesmo vale para a cama, que te leva a pensar em dormir.

Locais em que há outras pessoas conversando ou se divertindo também é um contexto que tira o foco de estudo. Porém, algumas pessoas não conseguem ter em casa uma mesa para o propósito único de estudar.

Tendo essa dificuldade em vista, uma universidade fez um experimento: pediu que os alunos prendessem o bilhete “Lâmpada de estudos” em uma lâmpada de cabeceira. Ela deveria ser usada só para estudar, e ao fazer uma pausa nos estudos, o estudante deveria desligar a lâmpada. Isso ajudou a criar um contexto próprio para o estudo e os estudantes envolvidos tiveram médias mais altas no semestre seguinte.

Se você tiver a possibilidade, a biblioteca ainda é o melhor lugar público para estudar. Seja uma biblioteca municipal, da sua escola ou universidade, sempre haverá outras pessoas estudando e lendo, o que resulta em um contexto que estimula fortemente a concentração nos estudos.

 

3. Estude de forma ativa

Como será que posso estudar de forma ativa?

E se eu te disser que a frase acima pode ser um exemplo de forma ativa de estudar? Questionar-se sobre “o que é esse conceito?” ajuda a organizar as ideias melhor. Quando estiver lendo o livro ou suas notas de aula, pergunte-se a si mesmo, e tente responder de forma simples. Se você é capaz de explicar um assunto de forma simples e com suas próprias palavras (sem muitas palavras específicas), significa que você compreende bem o conceito. Se quiser, pode também explicar para alguém da família. Se, ao tentar explicar para alguém leigo, essa pessoa tem uma dúvida sobre sua explicação que você não sabe esclarecer, indica que você ainda precisa estudar mais.

Fico confuso estudando pelo livro!

Para você estudar de forma melhor através de livros, o prof Lobdell apresenta um método chamado SQ4R, que representa os termos em inglês Survey, Question, Read, wRite, Recite, Review (Sondar, questionar-se, ler, escrever, recitar e revisar). O processo é um pouco trabalhoso, então vou apenas comentar o que considero ser o melhor para aumentar seu rendimento: sondar.

Ahn? Como?

A ideia é que, quando você for estudar uma seção de um livro, você primeiramente dê uma “olhada por cima” daquela seção. Veja os títulos, subtítulos, imagens e tabelas, e se pergunte (estudo ativo, lembra?):

  • o que aquele texto abaixo do subtítulo pode estar explicando?
  • o que essa ilustração está tentando mostrar?
  • como esse título está relacionado com o título anterior?
  • o que é … [título que você estiver lendo]?

Dessa forma, em questão de talvez uns 2-5 minutos, você se prepara para ler a seção, já esperando o que irá encontrar nela. Em vez de começar a ler sem rumo, comece sondando o livro antes, e você verá que ficará muito menos “perdido” no conteúdo.

 

4. Aplique os conhecimentos antes que esqueça eles

Apesar de esta também ser uma forma de estudo ativo, ela merece destaque. No estudo que identificou os fatores de sucesso dos estudantes de alto rendimento, o fator que teve maior peso tem relação com o que eles faziam na semana anterior à prova.

Simulados, exercícios, provas práticas

Enquanto a maioria das pessoas relê o livro, faz resumos, revisa o conteúdo e suas anotações nas vésperas da prova, aqueles que tiveram maior rendimento foram os alunos que buscaram aplicar o conhecimento através da resolução de provas práticas e exercícios. A aplicação dos conhecimentos na resolução de problemas põe o foco na importância dos conteúdos, enquanto que apenas ler e reler muda o foco para apenas memorizar o conteúdo.

 

5. Faça as pazes com sua cama

Dormir faz parte de uma rotina de estudo eficaz. Por quê? Pois é durante os estágios de sono profundo que o cérebro transfere as memórias de curto prazo – aquilo que você estudou no dia – para a memória de longo prazo. Em outras palavras, se você quer aumentar sua retenção de conteúdos, veja se a quantidade e qualidade do seu sono pode ser melhorada.

 

6. E por falar em rotina de estudos…

Por último, mas não menos importante, um plano de estudos é uma ótima ferramenta para organizar seus horários de estudo da semana, se feito corretamente. A ideia geral é organizar os horários em que você planeja estudar (e o quê estudar), na semana, em uma tabela de horários. Agora, novamente uma clara diferença entre aqueles que têm sucesso ao manter um plano de estudos e os que desistem logo.

A maioria dos estudantes, ao fazer sua tabela, já começa preenchendo ela com os horários que serão reservados para estudar. Por vezes esse horário é um pouco exagerado, e não é tão bem adaptado às outras atividades do dia. Isso gera desmotivação e tendência a abandonar o plano depois de poucas semanas.

Como os estudantes de alto rendimento fazem? Por primeiro, preenchem todas as atividades que não têm relação com estudo: hobbies, lazer, esportes, trabalho. Então, organizam seus tempos de estudo entre as outras atividades. Como o plano inclui várias atividades “mais prazerosas” do que estudar, acaba ficando fácil de seguir e manter-se no plano. Como comentado antes, uma atividade que é reforçada com estímulos positivos (recompensas, lazer) tende a ser repetida, criando um hábito.

Depois que o hábito está formado, o esforço para mantê-lo é muito menor.

 

Exercitando essas dicas dos estudantes de alto rendimento, você está um passo mais perto de se tornar um ProdutivoZen.

 

 

Gostou da matéria? Deixe um comentário falando como as dicas te ajudaram (ou atrapalharam) a render mais nos estudos.

Facebook Comments